Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tintas

por WAndrade, em 27.04.15

Olá, amigos do Inferno! Terminado o estágio, hora de arrumações.

Dentro e fora do peito. Muito papel no lixo, fotos, roupas

(essas doadas), muita coisa antiga, que só trazia lembranças dolorosas de falsidades.

Mas, numa dessas oportunidades, encontrei esta letra que fiz em 1998. Tornou-se uma valsa muito bonita que, prometo, ainda hei de mostrar aqui.

Por ora, ficam os versos... as tintas.

 

Hoje, quando faço versos,

choro tinta no papel,

nem de longe o menestrel,

nem se assanha o instrumento.

Hoje, quando faço versos,

sou despejo de má água

e nas linhas só deságua

uma forma rascunhada de emoção.

Hoje, quando faço versos,

são meus olhos de um vazio...

nem calor, nem calafrio,

bordo e risco arremedos de ilusão.

Hoje, quando faço versos,

é a emenda de um soneto do amor demais,

faço prosa a minha troça por amar demais,

cansei!

WAndrade - 14/03/1998

É uma valsa.

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:16

Um de abril...

por WAndrade, em 01.04.15

saudade1.jpg

WAndrade - 01-04-2015

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:45

Relevo

por WAndrade, em 19.02.15

‘Tava mesmo vento, um cortante de todos os lados, puxou o mais que

pode a gola do casaco, a proteger o pescoço, e saiu assim,

sem medo daquela friagem.

Gelo já tinha há tempos no coração, não era novidade.

Novo mesmo foi aquele encontro, depois de tanto tempo, aquele olá,

oferecendo a cara a um beijinho.

Pensou que ali tinha coisa, mas deu de si educação e retribuiu o cumprimento.

Aquilo sim era gelo de sua parte.

Manteve o olá apenas e seguiu a sorrir de leve,

perante o espanto do outro lado.

Sabia que ali teria conversa, pressentiu o assunto mas não voltou nem a cabeça.

Há muito que tinha ciência do que seria falado e, sinceramente,

não lhe interessava nem um pouco. Não folgava o fracasso alheio.

Agora, nem pena tinha.

WAndrade – 18/12/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

Habilidade

por WAndrade, em 02.01.15

torre.jpg                          WAndrade-02/01/2014

 

 

 

 

“27/02/07

Meu amor:

Com certeza eu sei que nada na sua vida e, na minha também, foi barato ou fácil...

Mas, na minha opinião, as pessoas que levam a vida com um mínimo de amor e autenticidade,

são aquelas que não escolhem as portas largas, como está no Evangelho.

De que adianta usar de estratégias para conseguir as coisas, ter as pessoas ao nosso lado? As coisas nos pertencem por mérito, por conquista.

E, as pessoas, por amor...”

Passas

Óh, arfante peito carecido...afinal o rubi, que não passa de um calhau vago, desmantela-se pelas arábicas terras das... estratégias, arfante, as estratégias…

Cintilâncias do olhar...engodos, arfante, nada mais do que engodos de um pacóvio que se sonha sultão, triste de alma, dá-se à ficção…

Sempre assim vive, correndo atrás de si mesmo para espantar seus calafrios e tormentas.

As “estratégias”? Ah, sim, caiu em todas, pato que é; agora resvala aqui e ali sua pequenina existência, ainda delirando-se grande, astuto e reinante.

 

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:20

"Vinte-Quinze"

por WAndrade, em 31.12.14

Feliz ano novo para todos nós!

Fé e força para construir esses novos dias que estão a chegar.

Amor e compaixão para eleger esse novo ano O ano, O novo e melhor de nós.

Consciência e alegria para permitir que as novidades cheguem e fiquem.

Tudo será novo e feliz se nós o fizermos assim.

Garra, esperança, honestidade e abraços.

Sinceros e quentes. Todos apertados e demorados.

Feliz “Vinte-quinze”!!!

Abraços,

Wania Andrade

WAndrade-31/12/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:55

Trízporum

por WAndrade, em 26.12.14

Os que aplaudiram a tua entrada triunfal são os mesmos

que ovacionam a tua saída cabisbaixa.

Gozam é do espectáculo, olha, do espetáculo…

Somente as almas ralas deixam-se subornar por encantos factóides,

é disso que ele vem falando há tempos e tu não suportas dar conta.

O que mais falta acontecer?

Mais um desmoronamento e vais ao fundo do mundo

(como dizia o poeta), sem volta, sem salvação que seja.

O que conta sabes bem o que é.

O sentes na carne talvez como em nenhum outro alvoroço destes.

A cortina começa a se fechar, corre daí que ainda é tempo de

apanhares o bonde da “Boa Trilha”.

 

Há quem não tenha mãos a medir para estancar tais desassossegos.

WAndrade – 21/12/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:34

Dela

por WAndrade, em 25.12.14

E de repente, depois de tanto, percebeu que não faltava mais nada…

fnatal2014.jpg

 

cnatal2014.jpg

 

 

enatal2014.jpg

                                      talvez um pouco de picante…

 

Feliz Natal!

WAndrade-25/12/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

Natal

por WAndrade, em 24.12.14

IMG_20141218_174029.jpg

nat.jpg

Feliz Natal aos amigos do Infeerrno!

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:32

Esforço

por WAndrade, em 16.11.14

gota.jpg

E sabe por que? Porque...

podem todas as rosas estar abertas e até Versailles estar em festa.

Pode o riso adornar o que se entende. Entende-se.

Pode a palavra enfeitar o fastio, que para isso (também) é regra.

Pode o prazer desembrulhar-se em pequenas bolhas...

pilhérias da vida…

pode o vôo ser maior que a asa.

Tudo pode…até a saudade ser mais forte que o silêncio.

Contra isso nada pode! 

WAndrade-15/11/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:39

Marco

por WAndrade, em 04.09.14

Acordou, olhou para o lado e soube, tinha que atravessar o deserto.

Não importava o incerto do destino, mas tinha lá o que fosse certo na puta da vida?

Tinha. Problemas, contas e… saudade.

Mas era uma saudade tão dolorida, tão desajeitada, que evitava pensar.

Disso já tinha que bastasse.

Fugia desse sentimento mal ele lhe abordava, ainda que de leve. Indelével.

Qualquer solta consideração neste sentido, arredava para longe com força,

enfiando o que fosse naquele vão intrometido.

Mas tinha que atravessar o deserto, era lá, sabia bem, sempre soube.

Sabia que era ali, depois daquela curva lá, depois da esquina…

Lá, antes do deserto, viveu o que agora era apenas, do mais, seu maior desconhecido.

Paz.

WAndrade – 04/09/2014

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:42


Mais sobre mim

foto do autor


Visitas




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

Poemas e Crónicas

Rebecca Rostagno - Arte nos temperos!

Palavra de Vidro

O Inferno no Likata