Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Acrescento

por WAndrade, em 10.10.16

Olá!

Tenho recebido convites seus para as diversas redes sociais, com um enorme ponto

de interrogação.

Não percebo, eu não possuo conhecimentos de vasta importância nem amigos influentes, os meus são pessoas grandes, sim, grandes em carinho, apoio, carácter e na arte de ficarem junto a mim em todos os momentos, principalmente os difíceis.

Meu carro não é último tipo, apesar de servir a todos os fins de que necessito.

Minha carteira não é recheada, mas é basta para que eu tenha o necessário para uma vida digna, recta, sem a necessidade de pedir nada a ninguém.

Minha casa é linda e positiva e de bons augúrios, porém nada tem de castelar.

Eu transformei-a num lar do bem e para o bem, sem ajuda ou atenção de quem quer que fosse, onde divido alegrias com um cãozinho doce, amigo, engraçado, porém sem nobreza. Nem o cão, nem a casa.

Não sirvo bebidas importadas nem acepipes de fino gosto; alimento-me bem, é verdade, mas tudo do comum, daquilo de que alimentam-se os meros mortais.

Também não sirvo jantares à larga; como já citei acima, minha carteira

carrega mais é dignidade.

Minhas viagens são para dentro de mim mesma ou para o jardim aqui ao pé de casa; ao sol, o meu veículo mais divertido é a minha bicicleta e à chuva, sonho mesmo aqui da minha janela.

Portanto, não entendo a insistência em ter-me como “amiga”, nos faces da vida; perante a vossa magnitude, não sei o que eu poderia acrescentar.

WAndrade – 10/10/2016

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:51



Mais sobre mim

foto do autor


Visitas




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

Poemas e Crónicas

Rebecca Rostagno - Arte nos temperos!

Palavra de Vidro

O Inferno no Likata