Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Revisão

por WAndrade, em 12.08.13

Vivendo e aprendendo…tão antigo como andar para a frente, não é?

Pena que não saibamos, por vezes, entender isso como deve ser.

Quando levamos um baita de um baque qualquer, ou da vida,

ou de um amigo (suposto) ou de um amor, enfim…

ficamos tão baralhados que nem pensamos, apenas doemos.

Não percebemos que aí está nossa maior chance.

De crescer, de aprender, de rever conceitos, de ver-nos no espelho de nós mesmos.

Não percebemos que esse baque cria jurisprudência e nos liberta.

Não é caso para dar troco, até porque quem dá troco é comerciante…

É caso para agir, ou seja, dar às pessoas exactamente o que elas querem,

no caso, o que elas nos dão. Simples assim.

WAndrade – 12/08/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:31

Querer...

por WAndrade, em 11.08.13

Que estivesses a meu lado amanhã...

que fosse teu o primeiro olhar na primeira assinatura...

que meus amigos vissem em meus olhos o brilho da tua presença.

Mas não disse nada, nem te convidei... doeu, acredite.

É que, dessa vez, pensei em mim, não suportaria outra desculpa engasgada,

outra risada indefinida antecedendo o teu não.

Querer eu queria que fosses...

e meu coração baterá mais forte a cada vez que aquela porta se abrir.

WAndrade - 10/07/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:22

Indubitável

por WAndrade, em 10.08.13

Queria escrever algo que fosse definitivo, reto e que não deixasse dúvidas,

porque nem tudo o que parece é ou parece ser.

Às vezes é preciso fintar a realidade para chamar a atenção daquilo

que é sonho, é preciso não dizer para ser compreendido,

é preciso enganar para ser observado.

E porque nem sempre se pode e nem sempre se perde, há que ir levando

em jeito de aceitação aquilo que o coração abafou mas não conseguiu calar.

Fui clara?

WAndrade – 10/08/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35

Do escrevinho

por WAndrade, em 09.08.13

Não receies querida, não é assim que me ponho à prova.

Meus próprios ensaios resguardo num cavo esquecido de mim,

não vá a tentação esgueirar-se por uma fresta qualquer que não poli,

e, sem dó, trazer-me desprevenida à tona, dando lume aos meus descobertos.

Não são minhas as sinas que descortino nesta senda, ou não só.

São as vidas que colho num ouvir mais atentado,

os silêncios que imploram liberdade, as veladas verdades que anseiam

ousadias e veemências. Quem sou eu?

Eu apenas reflito o palavrório dos passantes e não me tiro da cartola assim tão fácil. Não mais.

Não receies querida.

WAndrade – 15/04/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

Estou?

por WAndrade, em 07.08.13

Claro que não foi engano... você sabe, claro que sabe...

Só não tive coragem de dizer... da saudade, do amor

que ainda é teu...

Menti, desculpe.

Mas ouvi a tua voz...

claro que não foi engano...

WAndrade - 07/08/2013

 


Esconderijo

Eu não preciso ver você , saber de você, fuçar o seu facebook ou

perguntar, nada disso. Você vem a mim como os presságios. 

As mesas elegantes que você frequenta, tem caras...e bocas, meu bem, muitas bocas.

A sua tristeza, a sua não felicidade, as coisas que você finge ser,

seus arrependimentos, a sua vontade de me ver, de falar comigo, as suas vitórias,

aquela coisa forte e as engraçadas que nós

tínhamos, tudo o que você sente, chega até mim.

Nem eu sei como e porque, mas sinto.

Sinto quando você está mal, quando não dorme,

quando passa as madrugadas na net,

sei quando você me procura, às escondidadas, claro...

sei quando o seu trabalho está ruim, quando a sua cabeça

parece que vai explodir de tanta coisa

para resolver. Sei que o fogo já se extinguiu e você não sabe

o que fazer, com nunca soube nessas situações.

Sei que você se sente numa prisão...

sei que você, bem, a cama, sabe? É, eu sei de tudo!

Você não sabe, mas você é um pedaço eterno de mim

e eu de você, por isso eu sei tanto, eu sinto tanto.

Você não acredita, mas o que você vive lhe foi e é impingido.

Mais não me cabe a mim dizer. Descubra, fique alerta e saberá.

Você não fala comigo, não sabe se eu morri ou se vivi, como está

sendo a minha vida, se eu estou bem ou pior.

Você nunca se perguntou porque não fala comigo? Fique alerta!

Outra coisa que eu sei é que você não está bem, tudo vai mal, aliás,

mas o seu orgulho jamais deixará você dar o braço a torcer, portanto,

deixo aqui claro o meu amor (se é que precisa) e a certeza de que pode vir

quando quiser.

A chave da porta lá de baixo está sempre pendurada na caixa do correio

(por dentro) e a de casa, esta você tem. Ainda tem?

Para o caso de não ter, meu número você tem. Não tem?

WAndrade - 17/11/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

As "Estórias" na Praia de Mira

por WAndrade, em 07.08.13

Amigos do Inferno! Convido-os para a nova apresentação

do meu livro, desta vez no Mac Irish Bar da Praia de Mira, domingo.

dia 11 de agosto, pelas 18 horas.

Um abraço,

Wania Andrade

 

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:31

Lição

por WAndrade, em 03.08.13

Nos últimos dias aprendeu mais sobre solidão

Do que nos últimos cinco anos…

Solidão não é apenas aquele aperto de nada além de nós mesmos

nem aquele ar desbotado que fica depois de um dia inteiro

de…nós mesmos, muito menos aquela falta de um quem

para falar de vida, de tudo, de nada.

Aprendeu que solidão também pode ser ter uma família imensa

e um amor até, e ainda assim não ter em quem descansar seus percalços,

encostar algum fardo, esquecer-se num afago e ser apenas uma mulher.   

Nos últimos dias aprendeu…

WAndrade – 03/08/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:00


Mais sobre mim

foto do autor


Visitas




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

Poemas e Crónicas

Rebecca Rostagno - Arte nos temperos!

Palavra de Vidro

O Inferno no Likata