Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tão pessoal!

por WAndrade, em 28.02.13

Gosto quando eu gosto de mim

Das minhas essências misturadas, dos meus castelos amarelados

de um feitio ou outro meio assim, ora fosco, ora carmim

Ora essa, gosto quando eu gosto de mim

das minhas ausências demoradas, dos meus sentidos apurados

da total falta deles, às vezes…

às vezes, portanto, gosto quando gosto de mim

da minha fasquia sem pista, do meu pedaço mais quieto,

do silêncio que silencio inquieta e indisposta e inadequada

Cada quadra onde retomo o verso, gosto

Gosto quando gosto de mim.

WAndrade – 27/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:22

Vôo? Que vôo?

por WAndrade, em 27.02.13

Pior que o tormento só a resignação.

Uma chuva de granizo no peito saberia mais leve

do que a estagnada fonte onde agora bebia a vida.

Ilusão que foi , é à toa no presente desenxabido e parco.

Voar é de lei, sim, mas somente para quem leva nas asas

as nuances dos céus que pretende.

No mais, trambolhões descabidos, alma ralada e orgulho ferido.

WAndrade – 27/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:07

Inferno na primeira pessoa

por WAndrade, em 26.02.13

O meu inferno tem gosto.

De algodão doce misturado com dia de sol.

De beijo molhado de chuva, de boca, de mar

De gelado de flocos com saquê

O meu inferno tem gosto.

De terra, molhada, sabe? Aquela com cheirinho de nós mesmos, crianças

De manga, chupada na varanda, escorrendo até o cotovelo

e de risada no meio da alma, lavada…

O meu inferno é cerveja gelada com linguiça frita, bem picante

e papo furado, papo do largo, papo de amigo que junta contigo na hora que for

O meu inferno tem gosto.

De tinto maduro e lareira, douros em flor de amendoeira,

de neve enfeitando a janela, de praia a cinquenta graus.

O meu inferno tem gosto.

De pão com manteiga, quentinho

De pão com chouriça, quentinho

O meu inferno é meu céu despenteado,

meu cadarço desapertado, meu cachecol bem trançado.

O meu inferno é a coisa mais linda, mais cheia de graça*,

com quatro paredes caiadas e um cheirinho a alecrim**.

O meu inferno é o que somos todas as eu,

é a soma que faço de mim.

 

*Garota de Ipanema – Vinícius de Moraes e Tom Jobim

** Uma casa portuguesa - Amália Rodrigues

WAndrade - 25/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

Dia E

por WAndrade, em 26.02.13

Lembrança é coisa danada mesmo, hein?

Ainda que a alma, adestrada para ter cadência, imponha sossego,

o coração descomportado, chacoalha dentro do peito qual pipoca no tacho e desce para as pernas e termina nas mãos suarentas e frias.

Tudo volta, a incerteza do que era ou poderia ser, aquele segundo em que se ouve a verdade tão temida, a sala verde, todos tão de verde, o teto e suas luzes fortes, tão fortes, apagar…

o acordar sem saber onde está, quem é, ainda sou eu? Inteira? Recuperar, reagir, superar, superar, olhar no espelho o que já não é o mesmo…é, tudo volta.

Hoje foi meu Dia E… dia de exames no hospital.

Lembrança é coisa danada mesmo, hein?

 

Força também!

 

WAndrade – 26/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:17

Dêem um passeio pelo inferno

por WAndrade, em 25.02.13

Amigos e visitantes do "Inferno":

Peço que deixem a vossa opinião nos comentários e nos "gostos"

abaixo de cada post, ou email.

É importante para mim saber como vocês recebem o "inferno", ok?

O blog cresceu e agradeço a quem vem aqui honrar-me com sua visita.

Convido a todos a espreitarem os momentos mais antigos do blog,

os anos passados, os textos mais antigos, dos quais gosto muito também.

Passeiem pelo "inferno", é seguro, continuo assegurando.

Obrigada,

Wania Andrade - 25/02/2013

 

 

 

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:45

Nada

por WAndrade, em 25.02.13

A moça adormeceu. Nua e branda nem a viu sair.

Mais um corpo, outro copo e rua, que a cabeça não suportava o silêncio.

A madrugada oferecia uma lua quase cheia,

Pensou na canção que nunca mais cantara...

Fingiu não perceber a discreta inquietação no peito,

respirou fundo um pouco, acelerou e riu da sua saudade sufocada

em outras coxas, mãos, bocas e...

olhos fechados

 

Wandrade - 28/01/2011

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07

Leve, leve

por WAndrade, em 25.02.13

Leve é passarinho,

que nasce alma alforriada…asas.

Rasa a lua quando assim lhe apetece,

faz-se à terra quando brinca um descanso,

trincando um bocado de vida qualquer.

Leve é passarinho,

que quando vê brilho num novo carinho

faz ninho acalmado, coberto de encantos,

ornado de mato cheirando a chuvisco.

Trabalho esmerado como ao amor convém,

enleva a fortia do bico que tem.

WAndrade – 18/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55

A que, não sabia...

por WAndrade, em 25.02.13

Aquilo sabia a não sabia o que, mas doce não era.

Era de leve açoite, mas diário como a noite.

Perverso lobo que espreitava, matreiro, as horas desertas

em que madrugava exangue pela tela.

Tinha quedado, escusado negar.

Nascido falido, o enredo parco

mais e mais impunha-se desajuntar.

E isto feito, quem sabe,

deitava ao lume de uma estrela pequenina

que no só colou a rima, que sabia a esperar.

WAndrade – 18/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44

Desen…Cantando a roda

por WAndrade, em 21.02.13

Saber perdido o elo encantado de pedrinhas de brilhantes,

ou que se essa rua fosse minha eu mandava ladrilhar… com o que mesmo?

e que samba lelê ficou doente, de coração quebrado porque o anel era de vidro…

que o cravo brigou com a rosa e tirou o seu pezinho porque a canoa virou.

Afinal ele é cravo, não é peixe e nem sabe nadar.

Saber que o pião bambeia, não sapateia quando é para entrar junto na roda.

É, Sianinha, na ciranda, cirandinha vamos todos cirandar, vamos dar a meia volta.

Volta e meia. 

 

WAndrade – 19/02/2013

DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:40

Assinado e lavrado

por WAndrade, em 21.02.13
DMCA.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:31

Pág. 1/5



Mais sobre mim

foto do autor


Visitas




Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

Poemas e Crónicas

Rebecca Rostagno - Arte nos temperos!

Palavra de Vidro

O Inferno no Likata